quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Os Homens Quebrados (XXX)

Os Homens Quebrados, ah
Os seus corações choram estrangulados
Têm remorsos dos caminhos que não foram usados

Os Homens Quebrados, ah
Têm legítimas dúvidas no tempo
Decisões perenes leva-as o vento

Os Homens Quebrados, ah
Confrontam-se a si próprios constantemente
Numa arena abandonados jocosamente

Os Homens Quebrados, ah
Perdem-se no dilúvio de um céu laranja
Espalhados distantes num céu sem granja

Os Homens Quebrados, ah
Nómadas sentimentais despojados de vida
Mónadas vegetais inseridas em carne suicida

Os Homens Quebrados, ah
São tão livres
Que querem ser acorrentados novamente

Sem comentários:

Enviar um comentário