sexta-feira, 31 de março de 2017

Não Gosto (69) P

Quando estou a tentar dormir, odeio profundamente que um mosquito ou uma mosca faça um voo rasante no meu ouvido. É das sensações mais insuportáveis do mundo, parece que aquele som incómodo entra para dentro do meu crânio e fica ali a zumbir e a vibrar terrores horríveis no meu cérebro. Sempre que isto acontece sou incapaz de adormecer, porque fico sempre receoso que ele me pique ou, muito pior, que possa fazer um novo voo rasante e me arranque do quase sono, por isso acendo a luz e enfrento-o, esquadrinhando com os olhos as paredes do quarto, à procura do pequeno e incómodo insecto. Muitas vezes ele é difícil de encontrar por mais que eu procure. Às vezes dou murros nas paredes para ver se eles se assustam com o impacto, mas há alguns que nem assim se mostram. Quando isso acontece costumo abrir a porta, ligo uma luz da parte de fora do quarto e espero um bocado. Normalmente este truque resulta porque os insectos são estúpidos e têm uma atracção pelas fontes luminosas que nunca compreenderei. Como é possível eles passarem noites inteiras a baterem com a cabeça no vidro de uma luz de um candeeiro público? Que existência absurda…

Sem comentários:

Enviar um comentário