segunda-feira, 17 de julho de 2017

Os Estranhos Diários de Zenit Sa (Para tu leres) (P)

Eram quase duas da manhã e eu estava no centro de uma cidade portuguesa com um cigarro por acender pendurado na boca há 5 minutos buscando alguém a quem pedir lume, quando finalmente avistei um grupo de 6 ou 7 pessoas. Caminhei para eles com a esperança de ver finalmente saciado o meu desejo de fumar e perguntei educadamente se tinham lume. Todos os meus gestos foram polidos e não houve uma sombra de desrespeito na minha atitude, pelo que a reacção que se seguiu me deixou boquiaberto:
- Não, não temos lume! Porque é que havíamos de ter lume, porque somos pretos? “Vou pedir ao preto porque o preto fuma”, é isso que tu pensas?
A agressividade descabida no seu tom de voz não é impossível de ser transmitida no discurso escrito, mas ele falou comigo num tal tom de sobranceria e superioridade que eu me senti ameaçado. Eles estavam num número bastante superior e eram jovens, pelo que se quisessem entrar em confronto físico comigo eu dificilmente teria alguma hipótese de os vencer, contudo não tive medo e confrontei-o com as suas falsas afirmações.
- Como? Por seres…(nem sequer repliquei, porque o pudor e o respeito me fizeram conter a palavra “preto” que ele havia dito). Só vos pedi a vocês porque não há aqui mais ninguém (fiz um gesto amplo com o braço abarcando a praça deserta) e quero fumar um cigarro (e apontei para o cigarro apagado que agora segurava entre os dedos).
- Mas queres o quê? (replicou ele em tom claramente ameaçador enquanto avançava para mim)
Uma das raparigas que estava no grupo segurou-o e disse-lhe para não me ligar, também ela usando de uma sobranceria muito estranha, recusando-se a olhar na minha direcção e referindo-se a mim como se eu fosse uma coisa, um objecto insignificante e sem importância que eles deviam ignorar colectivamente.

Enquanto eles se afastavam, as suas gargalhadas altivas deixaram-me um pouco humilhado. Ouvi a palavra “racismo” cuspida no meio das coisas que diziam uns aos outros. Quando eu me dirigi a eles nem sequer tinha reparado que eram negros. Dirigi-me a eles como me dirigiria a qualquer pessoa àquela hora da noite para ver se tinham um isqueiro, uma vez que eram duas da manhã e as ruas estavam vazias. Eu nem sequer sabia que os negros fumavam mais que os brancos ou que havia um estereótipo qualquer que dissesse que os negros são fumadores compulsivos.

Sem comentários:

Enviar um comentário