sexta-feira, 6 de abril de 2018

Os Diários Cambiantes de Zenit (Golo de Ronaldo, vídeo Pedro Guerra)


Os Diários Lunáticos de Zenit Saphyr (3 de Abril de 2018)

Eu hoje vi um homem a voar. Não é certo que ele seja um homem, por isso não me chamem logo mentiroso. É possível que ele seja um Deus. É certamente um dos Deuses do futebol e o seu espantoso voo num pontapé de bicicleta formidável consagram-no definitivamente como um dos maiores jogadores da história, senão o melhor. No jogo de hoje dos quartos de final da Liga dos Campeões, Juventus x Real Madrid, Cristiano Ronaldo marcou um golo soberbo, assombroso, admirável, excelso, excelente, estupendo, magnífico, genial, mágico, lindo, único, extraordinário e por aí fora, todos os adjectivos são poucos e eles nem sequer foram capazes de sair da minha boca espantada no momento em que a bola bateu nas redes, pois nesse momento eu não fui capaz de mais que múltiplos murmúrios embasbacados de pura descrença. Eu não era capaz de acreditar naquilo que tinha acabado de acontecer, uma obra-prima absoluta da arte do futebol e tive de esperar pela repetição para acreditar mesmo naquilo que os meus olhos viram e a repetição confirmou a magnificência do gesto, a clarividência do salto. Erguendo o seu pé de ouro a mais de dois metros do chão, Cristiano Ronaldo aplicou um pontapé magistral na bola conduzindo-a para o canto da baliza, num remate irrepreensível que não deixou hipótese a Gianluigi Buffon, um dos grandes guarda-redes do do futebol moderno. O golo de Ronaldo é de tal forma impressionante que daqui a milhares de anos, caso o futebol continue a ser praticado e amado, as pessoas poderão rever o golo de Ronaldo e reencontrar nele a perfeição absoluta de um gesto técnico que apenas está ao alcance de alguns predestinados; o golo deste madeirense genial é tão bom que, mesmo alguém que não goste de futebol, terá de reconhecer a beleza apoteótica do fenomenal gesto. Até os adeptos da Juventus, a equipa rival, que jogava em casa, se levantaram para aplaudir Cristiano Ronaldo, algo que o deve ter deixado quase à beira das lágrimas. Foi um gesto de enorme fair-play dos adeptos italianos que os enobrece não só a eles, mas também ao desporto em geral.
Neste momento, às 22 horas e 45 minutos, em quase todos os canais da televisão informativa portuguesa estão a dar programas de debate desportivo com figuras perversas e absurdas gritando enraivecidas umas com as outras só porque são de clubes diferentes e, por isso, não lhes custa mentir e difamar em jogos e guerras de comunicação que até o Diabo acharia demasiado perversos. Na TVI 24 a discussão até é entre dois benfiquistas, mas, uma vez que são de facções diferentes, também se odeiam entre si. Um deles é João Malheiro, um indivíduo detestável e o outro é Pedro Guerra, uma personagem particularmente grotesca e sebenta, um obeso mórbido com as goelas cheias de ódio, raiva e fogo incapaz de se calar ou de ouvir uma opinião diferente da sua. Quando penso que ainda há pouco mais de uma hora, o Cristiano Ronaldo marcou um golo de outro Mundo, chego à conclusão que a programação da TVI 24 seria melhor se metessem este golo de pontapé de bicicleta em loop durante duas horas, uma repetição eterna de uma obra-prima universal. As pessoas ficariam seguramente mais bem servidas e não emprenhavam pelos ouvidos o ódio descontrolado do raivoso Pedro Guerra. 
Neste momento estou a viver em casa de amigos e só por isso vejo televisão. Quando vejo estes programas dou graças a Deus porque nunca ter tido Serviços de Telecomunicações nas minhas casas.

Os Diários Lunáticos de Zenit Saphyr (4 de Abril de 2018 - Manhã)

Ontem acabei o meu texto a amaldiçoar os comentadores televisivos de desporto e depois acabei por me dedicar noite dentro a fazer uma parva montagem com o João Malheiro a abandonar o estúdio depois de ter sido terrivelmente azucrinado pelo impossível Pedro Guerra. Será que isto significa que eu estou doido ou que sou bipolar ou que sou constantemente contraditório? Num segundo eu estava a odiá-los e a dizer que deviam ser desprezados, depois, passado umas horas, comecei a fazer uma videomontagem com aqueles dois cretinos num desses estúpidos programas que tanto detesto. Eu não posso regular bem tem de haver um problema sério comigo, porque isto não faz sentido nenhum, qualquer dia eu acordo e já nem sei quem sou nem que opiniões tenho, nem o que ando a fazer, nem como me chamo, nem de onde venho, nem para onde vou e acabo por fazer as coisas todas ao contrário do que devia fazer. Há uma clivagem no meu cérebro, só pode. É verdade que eu bebi uns copos e até fumei um pouco, mas isso não tem de significar uma total desagregação dos meus ideais, um total desabamento da minha maneira de pensar e ver o Mundo. Quando acordei nem me lembrava que tinha montado este vídeo, só me recordei quando o vi na minha página de Facebook. Entrei no youtube e comecei a recordar as coisas, um pouco vagamente, mas, mesmo assim, não me recordei bem…Por que raio me dediquei a dar atenção a semelhantes seres grotescos quando há tantos seres grotescos originais na minha cabeça? Quantas horas da minha noite terei perdido nessa montagem absurda de um vídeo que já estava no youtube? Por que não trabalhei nas minhas histórias em vez de estar a pensar no porco do Pedro Guerra e no execrável João Malheiro? Não faço a mínima ideia, mas gostava que alguém curasse esta minha cabeça diletante e me deixasse focar finalmente na minha grande obra, mas isso vai ser impossível, eu vou andar sempre de um assunto para outro sem nunca conseguir assentar, minha nossa Senhora, que loucura, que loucura. 
Eu podia, ao menos, ter feito o vídeo prometido do magnífico golo do Ronaldo em repetição durante duas horas, mas não! Dediquei-me a isto, provando que o que é mau atrai sempre mais a atenção do que é bom. Uma boa acção ou o sorriso de uma criança nunca serão abertura de um telejornal.

Os Diários Lunáticos de Zenit Saphyr (4 de Abril de 2018 - Tarde)

Estou indignadíssimo, que filhos da puta, meu Deus! Só me apetece usar o computador como máquina de gritos e insultos, fazer os meus dedos voar pelo teclado ao ritmo de milhares de raivosos palavrões. Cabrões da merda. Os indivíduos do youtube, a pedido de alguém da TVI 24, retiraram o meu vídeo do youtube por infracção de copyright. Eu tentei enganar os logaritmos modificando a imagem de forma estranha, mas mesmo assim fui apanhado. Que vergonha deveriam ter os senhores da TVI 24, como se não lhes bastasse imporem-nos estas figuras abjectas ainda nos impedem de gozarmos com elas? Ainda nos tornam impossível divulgar de forma engraçada (o objectivo era esse, se o é ou não, é irrelevante - teria sido removido fosse como fosse) aquilo com que poluem os cérebros da populaça? São uns filhos da puta! O vídeo está no youtube na página da TVI 24 e já tem quase 100.000 visualizações (o meu tinha 800 quando foi retirado). Claro que algumas das visualizações que iriam para a TVI 24 foram redireccionadas para o meu vídeo e eles não podem tolerar isso. Esses autênticos filhos da puta fizeram um vídeo com o título-anzol “João Malheiro abandona programa e deixa Pedro Guerra a falar sozinho” e toda a gente foi lá comer, contribuindo assim para que eles enriqueçam mais e mais porque o povo gosta de ver peixeirada e o próprio “moderador” parece muito feliz enquanto o abominável Pedro Guerra e o odioso João Malheiro trocam argumentos porque já sabe que é aquela zaragata que vende e que faz as pessoas verem estes programas abomináveis, mas a culpa será dos programadores ou das pessoas que vêem isto? Não sei, não faço a mínima ideia. A cada dia que passo sei menos e agora estou muito desmotivado porque me retiraram o filme do youtube e me ameaçaram com um processo judicial, os filhos da puta da TVI 24, que vendem peixeiradas luzidias de ódio e raiva a uma população sedenta de gritos e insultos. Aquele sorrisinho que o moderador faz é uma coisa execrável, de alguém que se compraz com as guerras alheias desde que isso traga benefícios para si…Absolutamente nojento e eu perdi não sei quanto tempo a montar um vídeo imbecil que, ainda por cima foi retirado do youtube, mas, se era tão imbecil porque é que eu estou tão irado? Não faço a mínima ideia, não consigo perceber, parece que nem a mim próprio me conheço. 
P.S.: Momentos depois de ter escrito este texto lembrei-me que poderia pôr o vídeo noutras plataformas…Vou tentar o facebook. O título do meu filme é "O Guerra é a Guerra"

Sem comentários:

Enviar um comentário