segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Os Diários Lunáticos de Zenit Saphyr (26 de Abril de 1991)

Hoje, enquanto conversava com uma rapariga, falei-lhe da minha teoria de que o amor verdadeiro deveria ser selado com a morte no seu momento mais majestático. Ela disse-me que era uma visão muito influenciada pela obra de Shakespeare "Romeu e Julieta" e, pela primeira vez de que tive a ideia de que o amor devia ser selado com a morte, lembrei-me da peça de Shakespeare. Como é tão possível uma associação tão obvia num tema que me obsessiona me pode ter escapado durante um dia? Eu fiquei atrapalhado com a sugestão dela e disse que o Shakespeare tinha influenciado o mundo...que havia uma razão para isso, que ele sabia ver as coisas e era verdade que queria passar a ideia que eu defendia através da história popular não religiosa mais conhecida da humanidade. Que idiota sou, pensei. Gabando-me de ter belas ideias e quando dou por mim estou a defender teorias há séculos refutadas. Cortem-me a cabeça. Eu sou o grande traidor, aquele que atrasará a raça Humana.

Sem comentários:

Enviar um comentário